Português Inglês Espanhol

Privilégio ou Direito?

15 de julho de 2016

 

No mês de julho, a Fundação Julita iniciou uma série de formações com educadores, coordenadores e funcionários sobre o Sistema de Garantia de Direitos. A primeira das formações utilizou dinâmica, roda de debates e plenária para abordar a diferença entre privilégio e direito, cujos significados são geralmente confundidos pelo senso comum.

 

IMG_3990_site-Recovered(novo)

 

“O privilégio exclui o direito, pois quando há um privilégio é para poucas pessoas. Já o direito é para todos. É importante esse entendimento, ainda mais para um educador. A ideia é o empoderamento para a luta coletiva de direitos, começando pelo educador e, posteriormente, para todos os atendidos (da educação infantil até a terceira idade)”, justifica o Gestor Pedagógico da Fundação Julita, Jânio de Oliveira.

 

Vivenciando o tema

Você teve acesso à boa alimentação na infância? Já viajou para fora do país? Teve ajuda financeira dos seus pais? Não precisou trabalhar para custear seus estudos? Na dinâmica de sensibilização da formação, essas e outras perguntas foram colocadas. Para cada uma delas, as pessoas envolvidas tinham que dar um passo para frente (se a resposta fosse sim) ou para trás (se a resposta fosse não). Assim, se viram em posições diferentes de acordo com privilégios, que muitos perceberam que pensavam ser direitos.

 

IMG_3881_site

 

IMG_3914 copy_site

 

A dinâmica trouxe para o consenso do grupo de direitos, para o senso coletivo. Características como faixa etária, gênero (mulheres), etnia, orientação sexual apareceram como as que mais deixaram as pessoas “para trás” na dinâmica; confirmando que integrantes desses grupos estão entre os que mais tiveram seus direitos violados durante a vida.

Nas próximas formações, a previsão é abordar temas como resgate histórico da luta de direitos, meritocracia, informação e conscientização acerca do sistema de garantia de direitos e os elementos para uma formação de base visando o empoderamento, sobretudo dos grupos mais vulneráveis (crianças, adolescentes, idosos, mulheres, negros, homossexuais etc.), entre outras questões.

 

 

Para saber mais

Durante a formação, foi compartilhado um vídeo para contextualizar o assunto abordado.